quinta-feira, 20 de novembro de 2014

PROCEDIMENTOS NO ESTUDO


1Eleger informações para grifar






dentificação do assunto Foi identificado, no título, o trecho que evidencia o tema tratado pelo texto. Na hora de grifar, termos acessórios como o adjetivo "pequena", podem ser deixados de lado, pois não interferem na compreensão. Reforce essa ideia e explique que conceitos repetidos e exemplos também não são essenciais. 


Trechos longos Marcar parágrafos inteiros dificulta a recuperação das ideias principais na hora de estudar. Para trabalhar a questão, pergunte: "Caso fizéssemos um texto com base no que foi lido, que informações seriam essenciais?" Anote no quadro. Então, peça que a turma volte ao texto original e encontre os termos levantados. 


Palavras isoladas A palavra "antes" foi marcada de forma isolada na frase. Às vezes, são selecionados termos que parecem não fazer sentido sozinhos. Como a construção sintática nem sempre é linear, peça que o aluno indique qual a relação entre as partes grifadas. Se a ligação não é evidente, sugira que ele faça anotações laterais para explicá-la. 


Falta de critério  Nem todos os parágrafos apresentam informações que precisam ser ressaltadas, assim como o primeiro deste texto, que não traz dados relevantes sobre o tema. Diga à turma que, antes de sair sublinhando, é importante ler o material todo para ter uma noção geral do assunto. 


Omissão de dados relevantes O aluno ignorou informações importantes, como a invenção do alfabeto. Para corrigir essa falha, pergunte à turma o que considerou essencial sobre o tema e anote no quadro. Veja se todos os dados relevantes aparecem. Depois de debater sobre o que foi levantado, os alunos podem voltar ao texto e marcar dados que não haviam selecionado anteriormente. 


Informações descontextualizadas Foram marcados dados soltos somente porque são difíceis de entender ou lembrar. Ao fazer isso, o aluno pode sinalizar uma cobrança do professor, que exige datas e elementos específicos nas avaliações. Recomende fazer anotações para contextualizar ou explicar o termo (como feito com "Sumer", à esquerda).



2Resumir 

O que é Procedimento de leitura para organizar informações e facilitar a compreensão do conteúdo, elegendo os aspectos mais relevantes. Permite articular os comportamentos leitores e escritores em situação de estudo. 

Como trabalhar Os desafios são: ler, entender, selecionar e organizar os dados por escrito. Como não deixa de ser um gênero textual, deve obedecer a regras de sintaxe e manter a coesão entre as frases. 

Segundo a pesquisadora Delia Lerner, o processo de resumir implica lançar mão de algumas estratégias, dentre elas, a supressão, a generalização e a construção. Na hora de eleger as informações importantes, o foco deve ser as que são essenciais para a compreensão do texto como um todo. Uma dica é dispensar exemplos ou outros dados secundários, usados apenas para validar as afirmações do autor. 

Como o novo texto produzido deve ser uma versão enxuta do original, a generalização ajuda a agrupar conceitos semelhantes. Já a construção reorganiza o conteúdo por meio da elaboração de uma ideia central. Ao analisar a produção dos alunos e identificar os procedimentos usados por eles, o professor consegue avaliar se houve a compreensão do assunto e fazer as intervenções necessárias.


3 Tomar notas 

O que é Fazer anotações das informações consideradas importantes durante uma aula, palestra ou apresentação oral para retomar posteriormente o conteúdo ouvido e visto. 

Como trabalhar Assim como o leitor formula hipóteses quando lê, o ouvinte presta atenção, antecipa o que será dito e busca respostas para os problemas. Para isso, porém, é imprescindível saber algo sobre o assunto ou que ele esteja vinculado a conteúdos já vistos em sala. Garanta esse conhecimento anterior na hora de ensinar a tomar notas. 

Você pode servir de modelo: em apresentações de alunos ou seminários em grupo, faça anotações e compartilhe com a sala. Ressalte que as notas são de uso pessoal e não seguem um formato rígido, mas elas deverão ser úteis para que o autor possa reconstruir a informação mais tarde, na hora de estudar. Incentivar crianças e jovens a trocar as notas, debater sobre os dados considerados importantes e revisá-las permite que elas tenham registros mais completos. 

A rapidez ao anotar faz parte do procedimento, por isso apresente abreviações que você usa para ser mais ágil na escrita e mecanismos para destacar conceitos. Mostre exemplos diferentes de notas - em tópicos, com frases inteiras, esquemas e desenhos. 


Organização da informação O subtítulo organiza e classifica as notas em categorias. Assim é mais fácil resgatar o conteúdo depois. Também ajuda a relembrar a ordem seguida pelo palestrante (ou professor) em seu discurso. 

Observações pessoais  Ao fazer as notas, o aluno aprende a registrar as próprias impressões, relacionando as informações que ouve com o que vê. Peça que ele explique para a turma por que fez essa observação e qual a sua relação com o conteúdo ouvido. 

Informações secundárias É preciso saber selecionar os dados que merecem registro. Oriente os alunos a prestar atenção na ênfase dada pelo orador e em expressões como "um fator decisivo" e "concluímos que", que dão uma dica dO que é importante. Depois da explanação, produza uma nova nota em conjunto com a turma, descartando dados que não são essenciais para a compreensão do tema. 

Atenção ao tema e objetivo  Informações diversas foram registradas. Isso pode indicar que o aluno não sabia qual o objetivo da visita. Caso a intenção seja aprofundar um conteúdo específico, o ideal é que ele se atenha às informações relevantes sobre o tema. Colabore comunicando antes o propósito da explanação. Para os pequenos, vale fazer um roteiro por escrito, antecipando os itens que deverão ser o foco de atenção. 

Dados incorretos ou faltando A informação de que há 1.020 espécies aparece tanto para animais como para aves, o que pode ser um erro. A omissão de dados importantes pode acontecer quando o tema é complexo ou pela falta de experiência dos alunos. Para recuperar o conteúdo e fazer as correções necessárias, oriente todos a compartilhar as notas com os colegas. 

Técnicas de registro  Foram usadas diferentes técnicas de registro, como frases completas, tópicos e desenhos. O domínio de mecanismos de organização de texto ajuda na compreensão depois. Peça que o aluno explique aos colegas o critério usado na escolha das diferentes técnicas. Assim outros também podem se apropriar delas



4 Esquematizar

O que é Representar graficamente um tema. A organização do esquema reflete uma síntese, com seus principais conceitos e a relação entre eles.

Como trabalhar Esquemas devem ser sucintos e coerentes. Ao mostrar o formato pela primeira vez, escolha um assunto que já tenha sido visto para que a turma entenda sua lógica.

A construção do esquema começa por reconhecer o conceito central do conteúdo - que pode ter sido apresentado em texto, vídeo, aula etc. Ele será a palavra-chave e deve aparecer em destaque. Depois, o aluno elege informações específicas relacionadas a ele: estabeleça um número limite (entre dez e 15 palavras) para facilitar. Oriente a turma a identificar a relação entre os conceitos e deles com a palavra central. É preciso separar as ideias gerais das específicas, criando uma hierarquia (característica de um tipo de esquema, o mapa conceitual, exemplificado abaixo).

Peça que os alunos comparem suas construções depois de prontas. Não há fórmula certa: quando os conceitos principais não são previamente acordados, cada um pode eleger informações diferentes como fundamentais. Pedir que a garotada explique o conteúdo para a sala com base em seus esquemas possibilita confirmar a compreensão do assunto.
Esquematizar. Ilustração: Fabrícia Batista. Fonte: Artigo Learning with concept map: an analysis of a teaching experience on thetopic of reptiles with 15-year-old students at a secondary school, apresentado na International Conference
on Concept Mapping 2008.
Consultoria Evelyse Lemos
Ideia principal Sempre devem ficar claros quais os itens contextualmente mais importantes e quais os secundários. Pergunte à turma: "Como saber, olhando para o esquema, qual é o assunto principal?" Tanto a posição dos termos como as setas podem ser usadas para indicar relações. Solicite que o aluno explique o tema por meio do mapa conceitual construído e ajude-o a reconhecer se os elementos no esquema são suficientes para essa explanação.

Falta de informação Não foram inseridas características dos répteis, como tipo de pele e ambiente em que vivem. Para que perceba essa falha, o aluno pode comparar sua produção com a de um colega, assim identifica termos que o outro pode ter levantado. Pergunte: "O que mais foi visto sobre o assunto?" e "Por que isso ficou de fora de seu esquema?".

Organização confusa  Por serem da mesma natureza (répteis), os animais poderiam estar listados na horizontal e ligados por uma linha, onde apareceria a palavra "exemplo" (a ligação entre os conceitos) uma única vez. Pergunte: "O que os animais listados têm em comum?" e "Como mostrar essa relação?".

Relação inadequada Induza o aluno a refletir sobre as relações num primeiro momento sem apontar os equívocos. Solicite que ele explique o que une esses conceitos e, se não conseguir, retome o conteúdo. Peça que sugira um novo local para o termo no esquema ou até mesmo sua eliminação ou substituição.

Palavras de ligação  Palavras acima das setas e linhas explicam a ligação entre os termos. Caso elas não apareçam no esquema, vale perguntar: "Qual a relação entre os conceitos ligados?" "Por que estão unidos na vertical (na horizontal/transversal)?".

Destaque inadequado  Colocado em uma caixinha, o verbo parece uma informação relevante. Explique que os conceitos destacados devem ser de conteúdo. Vale perguntar o que "são" representa. Ele merece tanta evidência ou é apenas uma classificação da palavra a seguir? Esse entendimento evita que frases inteiras sejam escritas dentro de caixinhas.
5 Rever cálculos

O que é Resolver problemas, analisá-los, construir estratégias matemáticas, comunicá-las e confrontá-las com outras, identificar as questões e refletir sobre esses processos. Para isso, os alunos devem ter consciência sobre o que ainda não foi compreendido.

Como trabalhar Dentre as áreas de ensino, a Matemática tem uma particularidade: ela se estuda lendo, escrevendo e, em grande parte, resolvendo cálculos. "O desafio do professor é assumir a responsabilidade não só de desenvolver atividades para que os alunos estudem e aprendam em sala de aula mas também fornecer elementos para que possam continuar estudando fora dela", diz Héctor Ponce, no artigo Escribir Genera (Más) Conocimientos.

Os registros dos alunos são ferramentas importantes do estudo nessa área. Cabe a você orientar sobre O que é importante anotar. Dessa forma, "o caderno pode ser um recurso que permite olhar para trás, voltar sobre o que foi feito para convertê-lo em fonte de consulta após várias aulas", coloca Ponce. Ele sugere que os alunos façam um índice do caderno, contendo os temas, o período em que foram trabalhados e os capítulos do livro relacionados a eles.

Matemática - 7º ano
Rever cálculos. Ilustração: Rogério Fernandes
Consultoria Clarice Camargo
Interpretação de texto Entender o enunciado, percebendo o conteúdo matemático em jogo, é o primeiro passo para resolver uma questão. Para trabalhar isso, peça que os alunos identifiquem as características de um conjunto de problemas, reconhecendo as diferenças entre situações que parecem similares.

Retomar conteúdo O sistema de equação está correto, mas a soma errada de (+q) + (-q) mostra que o aluno não domina a adição de números negativos. Para revisar o assunto, oriente-o a consultar as anotações feitas no caderno. Depois, prepare uma lista de problemas para discutir esse conteúdo. O aluno fez bem em não apagar seus cálculos, mesmo que incorretos. Isso o ajuda a identificar os pontos em que ele tem dificuldade.

Análise do aprendizado Proponha que os alunos escrevam coletivamente uma conclusão para sintetizar os aprendizados das aulas. À medida que se tornam mais autônomos, eles passam a produzir suas próprias anotações, que os ajudam a sistematizar as conclusões.

Socialização das estratégias É importante que os alunos compartilhem suas estratégias de resolução de problemas. Peça que eles mostrem no quadro o que fizeram e os oriente a registrar os procedimentos diferentes. Aqui, foram anotados dois deles: usando o cálculo mental e por meio do algoritmo.

Cálculo mental O aluno criou uma estratégia própria, adicionando a diferença entre os números ao total e dividindo por 2 para encontrar a quantidade maior. Peça que ele explique seu raciocínio e deixe a estratégia exposta em um cartaz na sala. Promova um debate em que todos possam analisar as vantagens e desvantagens de cada um dos procedimentos e com quais números funcionam.

Algoritmo Fórmulas dão agilidade aos cálculos, porém não basta memorizá-las. É preciso saber o que está por trás. É normal que alguns alunos aprendam mais rápido um assunto novo. Monte grupos para que eles próprios expliquem uns aos outros o procedimento matemático envolvido no problema.

Referência: http://revistaescola.abril.com.br/

Nenhum comentário: